Acordão de 1984-01-11 (Processo n.º 83-0012)

  • Emissor:Tribunal Constitucional
  • Tipo:Acordão
  • Data de Publicação:1984-01-11
  • Processo:83-0012
  • Fonte Direito:JURISPRUDENCIA
  • Relator:MARIO DE BRITO
  • Descritores:APOSENTAÇÃO; ESTADO DE DIREITO DEMOCRATICO; GARANTIA DE RECURSO CONTENCIOSO; PENSÃO DE APOSENTAÇÃO; PRINCIPIO DA CONFIANÇA; RETROACTIVIDADE DA LEI
  • Sumário:I - A garantia de recurso contencioso , constante do n. 2 do artigo 269 da Constituição (na sua redacção originaria), diz respeito aos puros actos administrativos em sentido estrito , não a eventual ilegalidade dos regulamentos em que aqueles se fundam.II - Mesmo que , por interpretação extensiva daquela norma , se deva considerar englobada na garantia o recurso contencioso contra regulamentos ilegais , sera então de concluir que tal garantia tem por conteudo a possibilidade de acesso ao tribunal para defesa dos direitos e não ja que ela queira tutelar concreta e individualmente os fundamentos do recurso.III - Embora a não retroactividade da lei não esteja consagrada como principio constitucional , deve considerar-se inconstitucional a norma retroactiva que viola de forma intoleravel a segurança juridica e a confiança que as pessoas e a comunidade tem obrigação(e tambem o direito) de respeitar na ordem juridica que as rege: por outras palavras , ha inconstitucionalidade de norma retroactiva quando se estiver em presença de uma retroactividade arbitraria ou opressiva que envolva uma violação demasiado acentuada daquela confiança.IV - O n. 2 do artigo unico do Decreto-Lei n. 413/78 , de20 de Dezembro , ao dispor que " e retrotraido a 30 deAbril de 1976 o inicio da vigencia do Decreto n. 317/76, de 30 de Abril " , não e inconstitucional , apesar de ter feito perder a alguns funcionarios " ultramarinos " um motivo ou um fundamento de recurso em materia de pensões de aposentação ; mas ja o e por ter afectado de forma intoleravel a confiança desse funcionario na fixação das respectivas pensões segundo determinado criterio.